sexta-feira, abril 08, 2005

Hora da Poesia

Árvore Aberta

Dobrei teus pulsos a dura aranha
do teu corpo
a tua árvore
faca que rasgou a barreira do ventre
a tua face abrindo-se como um barco
amei-te tempestade de ossos e de nervos
contra ti
contra ti

exílio
pátria sobre o chão
e fuga

furiosa e suave lâmina animada
bebida a jactos
aranha alta e linda
enclavinhada
destilando o suor a baba o vinho a seiva
o estrépito da primavera
de uma árvore que se abre
no silêncio

António Ramos Rosa

3 comentários:

Emilia disse...

Não sabíamos que já nos conhecia. Hoje, como foi dia de folga para os netescritores, resolvemos dar uma volta, e encontrámos este amigo que gosta de António Ramos Rosa. Os netescritores ainda não leram, provavelmente, nada dele mas lêem alguns daqueles que escrevem para as suas idades. E gostam muito de escrever.
Um abraço,
Emília.

Anónimo disse...

Um dos melhores blogs da língua portuguesa. Parabéns.

www.blogsuite.blogger.com.br

Anónimo disse...

bestiality dating russian
plumper gay male underwear
korean pics of huge cocks
spanking perfect blow job
drunk teen twinks
schoolgirl sex domination
facial animals sex free
cocksucking marti domination
sex bizar pictures
farm dick in ass